sábado, 6 de novembro de 2010

A MENINA DAS PERNAS DE LOUÇA

Branquinha e de beleza angelical, a menina desfila na rua com as pernas lisas e brinhantes à luz do sol que, sem piedade insiste em queimar tamanha branquitude. Iresoluta, a menina desafia o furor da luz, ofuscando-na com sua limpidez e brancura.
A menina de pernas de louça, meiga como a boneca chinesa timidamente é exposta a luz... A menina de pernas de louça caminha na minha frente e nem posso tocá-la... que decepção! Tão linda e escultural e, infelizmente não tocá-la me faz mal.
Menina das pernas de louças desfila, desfila e destila...

42 comentários:

Anônimo disse...

Menina da pernas de louça, desfile com cuidado porque pernas tão lindamente fragéis não podem quebrar... Ou melhor o que elas podem mesmo é trazerem ti a mim. mas lembre-se de que não suportará mais do que querer...

Anônimo disse...

Essa menida de pernas quebradiças não vai a lugar nenhum. mas que parecem tais pernas lindas, isso sim. desfila menina, desfila... kkk

Diário de Formação disse...

"Cuidado menina! Suas pernas são tão lindas e frágeis que podem se quebrar facilmente... Ah e esse sol... Que por maldade quer te queimar, tirar-lhe essa cor tão alva, tão angelical. Menina desfile com cuidado, pois tu podes se quebrar, óh frágil menina de louça!"

Giliardo disse...

oh menina quem sabe, se nesses labirintos das ruas voltemos a nos encontrar! E quem sabe, com a nova oportunidade, tenhamos um contato maior para quebrarmos a distância e num abraço... quem sabe matar essa minha vontade de tocar- nem que seja de leve- essa alvura sem fim...

Giliardo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Edevaldo Lima Silva Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Edevaldo Lima Silva Oliveira disse...

Desfila e segui adiante, debaixo deste sol escaldante, e até parece que bronzeia para mim. Menina das pernas de louça, tão belas e exuberantes... O meu desejo é tela aqui bem perto de mim.
Que pena... Enfim, chego ao meu destino, não sei se sorrindo ou chorando. Mas com a esperança de encontrá-la novamente.

Poetisa Negran disse...

Mas coitada, tanta felicidade afoita, que as pernas brancas cruzam as ruas distraídas...
a porcelana despedaçada, o crack dos ossos, o rubro do sangue e o silêncio...
Alguém fez um Passeio Noturno de dia.

parmalathy disse...

Oh menina tão bela, tão delicada e singela...
Como é belo o teu caminhar, tão sublime e angelical.
Es cheia de alegria e encanto. Mas vai-te depressa não fiques nesse sol que quer te queimar.
Quem sabes linda menina um dia voltemos a nos encontrar!

A Caminho das Letras disse...

Por essas ruas sozinha, com toda sua formosura que a luz do sol lhe dá.
Oh! Menina das pernas de louça, aonde tu queres chegar? Se nesta estrada que andas o sol não pareçe findar.
Segue a Menina das pernas de louça, por estas ruas a vagar, sublime e radiante ao mesmo tempo grená, diante do sol escaldante das terras de além mar.

Anônimo disse...

Ó bela menina com tão belas pernas... Antes de quebrar-se pelo calor do sol (que ninguém descubra teu segredo!) desfile, gire e rodopie como um bela bailarina que flutua pelo ar.
Tão belas pernas não foram feitas para se quebrar, mas para encantar. Encantar a todos que pensam que essa bela menina é frágil, qual nada! Há uma força que lhe determina cada passo, cada olhar cada desafio, cada desfile.
Ó bela menina, conta teu segredo. Diz o que a torna tão frágil, tão bela e, intimamente tão forte. A força que te acompanha está dentro de ti, renasce a cada manhã com um copo de leite, um pedaço de queijo, e a vitamina D que contém no calor do sol.
Diante desse segredo, grite: Parecço frágil, mas não ainda não tenho OSTEOPOROSE para sair quebrando por aí!!!!

rsrsrsrsrsssssssss

Cristiano Martins disse...

Breve continuação:

E o meu olhar te segue como o sol que te persegue.
Mas, talvez a intenção do sol não seja queimar a branquitude de suas belas pernas de louça, mas sim ver o brilho intenso de sua luz refletida em tamanha beleza.
Oh bela moça, se tu soubesses o quanto me dói ao te ver passar, tão perto de mim, e nem sequer me olhar...
Ou será que tu percebes e queres me maltratar?

Diário de Formação disse...

...sem parar de brilhar,buscando a luz do sol para cada vez mais irradiar...
Cuidado, ó menina das pernas de louça, pois o dia pode acabar e você não conseguir mais brilhar...

Anônimo disse...

Ôh menina tão linda como és tão belo seu caminhar cheia de alegria e brilho onde passa deixa tua luz brilhar, quem sabe um dia menina agente volta a nos encontrar..

O País das Letras disse...

Ôh menina tão linda como és tão belo seu caminhar cheia de alegria e brilho onde passa deixa tua luz brilhar, quem sabe um dia menina agente volta a nos encontrar..

Mare Duarte disse...

Neste conto o sol acaba sendo o vilão,pois o astro rei tem a indelicadeza de queimar a menina das pernas de louça [...]
Na verdade ela não pode ser tocada porque a sua performance é constituida de meiguice e serenidade.O interessante portanto é apenas deslumbrá-la admirando sua fragilidade e doçura.

Samai de Azevedo disse...

Desfila porque pode, que mal há? A louça de tuas pernas é duradoura, entretanto pode desbotar e até mesmo quebrar... Isso poderia me matar...
Desfila menina, lança teus encantos no ar, faz do passeio um costume e começa a se bronzear...
O verão está chegando, precisa se preparar ou vai preferir expor essas perninhas brancas na frente do mar?

Samai de Azevedo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Samai de Azevedo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Samai de Azevedo disse...

Um novo conto...

(...)
Era véspera de Natal. Eu queria que a festa tivesse o mesmo brilho, que eu pudesse acreditar em Papai Noel em paz, ora bolas. Fantasiar, imaginar o bom velhinho dizendo: “Você é uma boa menina, comportou-se bem durante o ano, merece ganhar um lindo presente.” Será que minha irmã permitiria que eu vivesse isso? Poderia ao menos imaginar seu “HO!HO!HO!” após deixar meus presentes em casa?
Mas nesse dia, algo aconteceu de muito diferente dos outros anos. Ao anoitecer, Marina saiu de seu quarto e com ternura, segurou minha mão e disse:
- Vamos ver os presépios?
Sem esperar resposta, a menina transformada, talvez pelo espírito do Natal, segurou firmemente a minha mão e arrastou-me pelo povoado à procura de casas com presépios na varanda.
- Olha um ali – dizia apontando e correndo em direção à residência, esquecendo-se de que já estava mocinha.
Naquela noite, ficamos ali sem pressa, observando os detalhes das lapinhas, as casinhas amontoadas, pequeninas, feitas de caixinhas de fósforos, os animaizinhos de plástico, as cerquinhas, o casal José e Maria rezando pela vida do pequeno Jesus e as luzinhas, que eram o que havia de mais interessante para nós.
A partir daquele dia eu percebi que, por mais que os problemas surgissem entre nós duas, estaria sempre pronta a perdoá-la. Aquele gesto significou bastante para mim e vi que presente maior que aquele Papai Noel jamais poderia me dar; o amor e amizade da minha irmã.
Parentes têm isso, esse poder de nos magoar e fazer com que, na maioria das vezes, consigam ser perdoados. Em suas veias correm elementos do perdão.
Não sei explicar o que houve. Sei dizer que levou algum tempo assim, generosa, gentil, cautelosa antes de tomar qualquer atitude. Eu nem quis perguntar o motivo da mudança, muito menos tocar no assunto.
(...)

Samai de Azevedo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Samai de Azevedo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Samai de Azevedo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Queridos leitores. Obrigado pela atenção dispensada a tão bela menina. Espero que esta criaturinha tenha despertado em vocês uma serie de sentimentos...

Samai de Azevedo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Samai de Azevedo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
LEANDRO disse...

...será esta menina de verdade?
Menina de luz,de beleza sem igual seu brilho enche meus olhos,como um sonho gostoso, não quero acordar.e sim nela pensar.
Seu rosto não vir mas pelas pernas posso imagina-la.

LEANDRO disse...

Eu vi!!! a menina das pernas de louça,sei onde mora,o que faz,seus sonhos e suas fantasias,ela me cotou tudo.pena que ela não quer que eu conte pra ninguém.
É segredo ...

solporto disse...

A rua é tua passarela
onde posso contempla-la
menina das pernas de louça
onde tu estavas ?
o sol também deseja toca-la .

diario de dafne disse...

Menina das pernas de louça destila seu perfume no ar, enquanto desfila...por onde passas todos ficam admirados com suas brancas, longas e delicadas pernas...Menina das pernas de louça, cuidaddo com o sol que também deseja toca-lá...Segues teu caminho menina a desfilar e cuidado com suas fragéis pernas quebradiças que sem elas não podes ficar...

diario de dafne disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mare Duarte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mare Duarte disse...

Primavera sem flores.


Chove lá fora,pessoas e carros transitam incansavelmente.Estamos na primavera,mas a vida de Constantine tem sido somente espinhos[...] Como este sujeito tem sofrido por amor:não sai,não come,sonha dia e noite com sua amada;isto é,quando consegue dormir.São incontáveis as vezes que Soninha tentara em vão,reabrir o coração de Constantine, mas "as feridas do amor só podem ser curadas por aquele que as fez."
Seus amigos o consolavam,aconselhavam-o dizendo:"Se cura um amor com outro.",mas o pobre rapaz não se resignava diante à perda de Anita.
No seu quarto havia um poço,não de água da chuva que caía lá fora - mas de suas lágrimas que inundavam,enxarcavam seu ser.
O telefone tocou.Era Soninha chamando-o para ir ao show de rock,mas nem de rock o sofredor Constantine gostava mais(...)
Seus dias eram sempre os mesmos:chorar,sofrer,lembrar,reviver,se arrepender.Afinal se não houvesse traído a sonhadora e romântica Anita hoje continuaria a tê-la em seus braços.
Da janela de sua casa via os apaixonados enamorando-se,fazendo juras de amor um ao outro,olhando nos olhos,e o coitado amargurado lembrou da jura de amor eterno que havia feito a Anita...
Num relance impetuoso Constantine gritou alto e bom som:"Chega,nada é pra sempre,pois até o pra sempre sempre acaba".
Apanhou o celular na cabeceira de sua cama e discou o numero do consolo. - Soninha?,ela retrucou aflita:-Que bom que você ligou...
Saíram a noite e Constantine desencanado e a esmo refutou à ela:Não me fale de amor;e a insistente moça esbelta indagou: - Mas Constantine estamos na primavera.Ele riu e afirmou secamente: "Mas a minha primavera não tem flores.
"O amor é uma flor delicada, mas é preciso ter a coragem de ir colhê-la à beira de um precipício."

Nelcimare Lacerda Duarte FerreirA

Mare Duarte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mare Duarte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mare Duarte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Poetisa Negran disse...

Como eu sei que tem gente que gosta de ler os comentários. Deixa eu vender meu peixe. Meu conto.

acessem;
http://poetisanegran.blogspot.com/2010/11/uma-cerveja-gelada-nao-ver-que-moca-ta.html

Viviane Oliveira disse...

... E de tão bela que é, me faz sonhar que desfile só para mim um dia.
Suas lindas pernas de louça, que parece frágeis, te faz mais forte a cada dia, assim como o meu amor por ti, que a cada dia se renova e fortalece.
Meus sonhos são mágicos como as estrelas e doces como o mel, será que eles despertarão amor em seu coração algum dia?
Oh! bela boneca de porcelana, serei como o sol para ti, não para queimar sua beleza magnífica, mas para refleti-la e fazê-la brilhar.

Meu Querido Diário disse...

O amor de Marion

Ela era forte, decidida e sempre soubera se impor, não demonstrava seus medos, nem mesmo sabia se os possuía, mas mesmo sendo tão impetuosa não conseguiu, e se entregou a toda aventura daquele amor, era doce, talvez essa fosse a sua fraqueza.
Mas logo por ele?! Marion era linda, teria qualquer um aos seus pés, mais se extasiou justamente por ele, o único que lhe era impossível.
Era um final de tarde, trovão tinha sede, Marion decidiu então dar uma parada na cavalgada, parou ao lado do rio, sentou-se no galho mais alto daquela árvore, e como o inesperado que acontece de algo que parecia predestinado, ela o viu, onde ele sempre estaria na sua vida: do outro lado do rio, as águas que os separavam eram as mesmas que pareciam atraí-los. Ele se apaixonou, estava montado em um alazão tão belo quanto Trovão, mas imensamente mais forte e indomável, o índio a olhava fixamente, seria ela a dama que atormentava deliciosamente os seus piores sonhos e os seus melhores pesadelos. Aionix, era esse o seu nome, guerreiro da tribo que matara toda a família da bela Marion. Era tão pequena quando a tragédia aconteceu, de todo o ocorrido, lembrava-se apenas da dor que a fez mais forte, Marion achava-se invencível, mas não era, sua força seria sua pior fraqueza, pois a força foi adquirida da tragédia que não lhe permitiria viver o que de mais intenso lhe acontecera, o amor por Aionix. Ele por sua vez nunca esqueceu dos olhos de Marion, olhos claros que de tanta expressão pareciam os mais negros que já tia visto. Ambos foram expectadores da tragédia, sua vidas seguiram caminhos opostos, porem idênticos, Marion era a indomável moça da cidade, e Aionix tornou-se o guerreiro mais destemido e bravio que sua tribo já ouviu falar, e eles agora dividiam o mesmo amor insano.
Em uma noite sem estrelas, mas com uma lua cheia nunca vista antes, Marion se entregou a Aionix, não apenas de corpo, mas de tudo que havia dentro dela, e Aionix como um beija flor que não resiste ao aroma do mais doce néctar, a tomou para si. Pensaram em esquecer o passado e fugir dali, sabiam que seriam caçados como feras pela tribo de Aionix, mas estavam dispostos a morrer em nome desse amor. Porém o destino não quis assim, Marion deu a luz a um menino tão lindo como o pai, e a ele não podiam por em risco, enterraram sua história e seu passado, mas o amor ficou, Marion não o viu mais, mas nunca esquecera das palavras que lhe disse na sua despedida “ a ti entreguei meu destino, e agora, por amor te deixarei, mas a maior parte de mim estará sempre em ti ”, o chamaram de Rudá que significa divindade do amor, nunca conhecera o pai, mas ouvia sempre as Histórias do guerreiro Aionix, que por amar demais, morreu de amor e não de lanças, embora fosse essa a história contada pelos índios que restaram em sua tribo.

Deisiane Alecrim de Mello

Diário de Formação disse...

toda a sua ingenuidade.
Singela criatura, sua graça e delicadesa se assemelha a uma bailarina, que mostra sua força por meio da sutileza de uma dança, que tanto me encanta. Simplesmente na ponta do pé exibe força e coragem, embalada em passos ensaiados de forma simples e fascinante. Que pena não tocá-la. Simultaneamente distante não tenho condições para alcançá-la. Oh bela bailarina! Feliz sou, simplesmente por admirá-la.

Anônimo disse...

Infeliz do homem que acredita na igenuidade desta moça, ela que nada tem de ingenua. Faz tudo maquiavelicamente, naum sente insegurança com a cor da sua pele ao contrário sente o enorme prazer de ter nascido assim. E se pensas que ela é boba engana-se pois nem se quer imaginam que ela usa protetor solar fator 100.

Giliardo disse...

Relacionamento Perigoso

Ele estava sozinho no quarto, acabara de se levantar. E de repente lembrou-se: tarefas inadiáveis o esperava.
Dentre elas, atualizações dos programas do seu PC. A qual julgava primordial.
Liga o PC.
Acessa a Holística. Felizmente, nesse dia, conseguiu conectar-se.
Baixando...
De repente! – não posso acreditar! ELA respondeu ao meu e-mail.
Na caixa de entrada as letras luziam aos seus olhos, parecia mentira – mas era a tão esperada confirmação!
A resposta dizia o seguinte: ontem notei o quanto vc me olhava... Fiquei encantada em saber do seu interesse. PS. Me liga 999...
Após alguns toques no celular, a voz do outro lado responde: - olá, bom dia! precisava mesmo falar contigo.
Ele eufórico responde – então é verdade, o meu empréstimo foi aprovado!
A gerente da agência bancária confirma:
- Pois é, passe aqui mais tarde para fecharmos o negócio.