quinta-feira, 16 de agosto de 2007

QUIS ASSIM...


QUIS ASSIM...

Fui eu quem quis assim:
Você lindamente sorriu
E meu ser partiu
Tal terremoto faz
Com a terra deixando
Seu imo exposto,
Com medo e frio.

Logo me apaixonei
Por sua beleza
Enigmática e sem fim.

Amar-te é minha sina
E o que posso fazer?
Se seu sorriso é a luz
Alumia o meu amanhecer.

Fui eu quem quis assim:
Ter a solidão de ti
A judiar-me tal fogo
No cerrado queimando
Lentamente o frágil capim.

16 de agosto de 2007, 20h25min

(Robério Pereira Barreto)

2 comentários:

Cenilza disse...

Que poema lindo!!! Quisera ser assim...
Ter o poder de brincar com as palavras com tanta beleza e naturalidade.

Fátima disse...

Parabéns,gênio da solidão...a cada dia você nos presenteia com mais um lindo poema.
Obrigada!