segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Na ausência de mim mesmo

E dialogando com meus demônios
Descobri quão infinito é viver a esmo
A procura de sonhos.



O solitudo traz em ti a beleza
De quem mesmo na ausência
É constante presença, Paixão!

O solitudo, sola beatitudo!


15 de fevereiro de 2010

Robério Pereira Barreto

Um comentário: